ANO SANTO DA MISERICORDIA JULHO - 2016 Imprimir

 

SEDE MISERICORDIOSOS COMO O PAI”. Este é o lema do Ano da Misericórdia que teve início no dia 8 de dezembro deste ano, na Solenidade da Imaculada Conceição, e se concluirá no dia 20 de novembro de 2016. O Ano extraordinário foi convocado pelo Papa Francisco durante uma celebração da penitência, na Basílica de São Pedro, no Vaticano. “Pensei muitas vezes no modo como a Igreja pode tornar mais evidente a sua missão de ser testemunha da misericórdia. É um caminho que começa com uma conversão espiritual, e devemos fazer este caminho. Por isso decidi proclamar um Jubileu Extraordinário que tenha no seu centro a misericórdia de Deus. Será um Ano Santo da Misericórdia”, disse o Papa Francisco. Na homilia de abertura da Porta da Misericórdia na Catedral de Vitória da Conquista, o arcebispo Dom Luís Pepeu recordou que a iniciativa do Papa Francisco convida os fiéis do mundo inteiro a celebrarem o Sacramento da Reconciliação. De acordo com o comunicado da Santa Sé, a abertura deste Jubileu Extraordinário da Misericórdia acontece no 50º aniversário de encerramento do Concílio Vaticano II e adquire um significado particular, impelindo a Igreja a continuar a obra começada pelo Vaticano II.

 

MÊS DE JULHO

A cada ano o mês de julho na Arquidiocese de Vitória da Conquista é dedicado ao DÍZIMO. Portanto, um mês voltado mais especialmente à oração, à reflexão, à conscientização e ao aprofundamento sobre a importância do dízimo em nossa comunidade eclesial.

O QUE É DÍZIMO?

Dízimo é um ato de gratidão a Deus, do qual recebemos tudo que temos. É devolução a ele, de um pouco do que dele recebemos por meio da igreja, para que o seu reino aconteça entre nós. É manifestação de nosso amor a Deus e aos irmãos. É partilha dos bens que estão a nosso dispor, especialmente com os mais necessitados. Contudo com a inspiração, com que cada um vê ou percebe o dízimo, vai atribuir-lhe um significado. Assim ouve-se que é gesto de amor, de agradecimento, de expressão de fé, de solidariedade, de fraternidade, retribuição aos dons e bênçãos de Deus, manifestação de responsabilidade para com a igreja e o plano de Deus, e outros inúmeros qualificativos que buscam defini-lo. De fato, o dízimo assume diferentes expressões em razão do que o motiva (por que o oferto? ) ou de sua destinação (para que o oferto? ) . Mas uma palavra engloba, todas as suas possíveis definições: Amor. Num primeiro momento, devo reconhecer pelos dons gratuitos que recebo de Deus, a começar pela vida, pela saúde, pela inteligência, o imenso amor que ele tem por mim. Depois manifesto de forma objetiva, minha gratidão, retribuindo a ele este sentimento, em gesto concreto de amor, através dos meus irmãos.