Home » Notícias » ANO SANTO DA MISERICÓRDIA
 
ANO SANTO DA MISERICÓRDIA Imprimir E-mail
Seg, 13 de Junho de 2016 14:32

 

 

NOTÍCIAS: JUNHO DE 2016

 

Dia 29 - BÊNÇÃO DA IGREJA MATRIZ DE SÃO PEDRO EM IBICUÍ


A Paróquia São Pedro de Ibicuí vivenciou um momento singular na noite desta quarta-feira (29), marcado por imensa alegria e grande júbilo, pela presença do Arcebispo Metropolitano Dom Luís para realizar a bênção da Igreja, do altar e de outros espaços destinados à ação litúrgica. Foram momentos de abundantes graças e bênçãos para a Comunidade. Dom Luís foi acolhido calorosamente e com grande entusiamo pelo pároco Pe. Valdo e pela Comunidade Paroquial. A celebração contou com a distinta presença do Vigário Geral, o Mons. Uilton, de autoridades locais, além da participação de numerosos fiéis, e de tantos devotos e colaboradores da Paróquia São Pedro. A liturgia foi preparada com muito zelo, dispensando toda a atenção, por Pe. Valdo, acompanhado das equipes de animação litúrgica da Paróquia e de outros grupos pastorais. Para a Liturgia da Palavra, tratando-se de uma celebração de tom festivo no contexto da bênção da Igreja, foram escolhidas leituras apropriadas. O rito de bênção de uma Igreja contém em si um simbolismo muito forte. Mediante a bênção, a Igreja é oferecida a Deus como “Igreja santa, Templo do Senhor”, uma casa de oração, de culto e expressão de celebração da vida, onde o povo reunido, constituindo uma assembleia santa, proclama o hino de louvor e celebra a ação de graças ao Deus da vida. Além da bênção da Igreja, Dom Luís também abençoou o altar, a cadeira de presidência ou sede presidencial, o confessionário e o ambão. O rito de bênção da Igreja contempla tudo o que integra o edifício como um todo, incluindo todos os espaços e objetos relacionados com a ação litúrgica e que se encontram definitivamente dispostos em seus devidos lugares. Constituindo-se, no entanto, uma oportunidade singular para manifestar aos fieis a devida importância de cada espaço em particular, procedeu-se com o rito de bênção apropriado a cada parte: a cadeira, o confessionário, o altar e o ambão. Em sua homilia, partindo das leituras apropriadas para o momento solene da bênção, uma celebração rica de símbolos, Dom Luís destacou que a Palavra de Deus proclamada ajuda em muito a compreender o valor de quanto se está celebrando. Ressaltou a importância do altar, lugar onde todos os dia é oferecido o sacrifício de Cristo. No altar Cristo continua a imolar-se, no sacramento da Eucaristia, pela salvação de todos. No evangelho, encontra-se a pergunta fundamental que dá razão à fé: Quem é Jesus? Pedro, em nome dos 12, responde: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. A fé de Pedro em Jesus como Messias e Filho de Deus é a fé da Igreja. Cada cristão, como batizado e membro da Igreja de Crsito, seguindo o exemplo de Pedro, é também chamado a professar esta mesma fé. Dom Luís concluiu sua homilia, exortando a Comunidade a anunciar e testemunhar o amor de Deus, abrindo seus horizontes de esperança e alimentando o impulso missionário. Concluída a Santa Missa, houve uma grande explosão de alegria da assembleia. Todos regozijavam-se, pois a celebração marcou o desfecho de uma caminhada de esforços, sem medir sacrifícios, na reforma da Igreja, com oportunas intervenções que incluíram a Cadeira da presidência, o Confessionário, o Altar e o Ambão. Muitos fiéis foram ao encontro de Dom Luís para compartilhar de suas alegrias e da grande satisfação pela presença do Pastor e pelos trabalhos realizados pelo Pe. Valdo na Igreja de Ibicuí.



Dia 25 - ARCEBISPO REALIZA CRISMAS NA PARÓQUIA SÃO JOSÉ EM ITAPETINGA


Na noite deste sábado (25), às 19h30min, Dom Luís celebrou a Santa Missa na Paróquia São José, em Itapetinga, onde conferiu o Sacramento da Crisma a um grupo de 100 pessoas, entre jovens e adultos, da Comunidade Paroquial. O pároco Pe. Rosenildo, em nome de todos os fiéis paroquianos, acolheu com grande alegria o Arcebispo, dando-lhe as boas-vindas. A Igreja São José estava repleta. A Comunidade compareceu em massa para participar da solene celebração e prestigiar este momento tão expressivo e de grande significado em sua caminhada eclesial, contando com a presença do Pastor em seu meio para confirmar na fé, mediante o sacramento da crisma, tantos jovens e adultos. Dom Luís dirigiu uma saudação ao Pe. Rosenildo, aos catequistas, equipes de coordenação e animação, aos diversos grupos de pastoral, aos movimentos e a todos os presentes, agradecendo a acolhida calorosa e tão fraterna. Em sua homilia, dirigindo-se aos crismandos, falou do compromisso decorrente deste sacramento. A crisma, ou sacramento da confirmação, é considerado o sacramento da maturidade porquanto aquele que o recebe deve estar preparado a comprometer-se com uma vivência autêntica de sua fé cristã e católica, assumindo com responsabilidade um efetivo engajamento na Comunidade Paroquial. Ser crismado implica uma atualização, um “aggiornamento” da vida nova recebida pelo batismo, pelo qual o cristão se torna discípulo missionário de Jesus Cristo, devendo assumir com toda a radicalidade este caminho de seguimento. Aquele que é crismado não pode ser uma pessoa “morna”, de fé inoperante, mas alguém que assume totalmente sua condição de membro vivo do corpo místico de Jesus, que é a Igreja. É preciso, portanto, um comprometimento concreto com a ação pastoral e evangelizadora da Igreja, mediante os diversos serviços e ministérios da comunidade, os grupos de trabalho que envolvem a ação pastoral e uma presença nos movimentos eclesiais, dando testemunho de uma fé autêntica em Jesus Cristo e em sua Igreja. A liturgia foi muito bem preparada e animada, contando com a participação de todos. No final da celebração, houve grande demonstração de uma alegria envolvente, contagiando a todos. Muitos fiéis foram ao encontro de Dom Luís para saudá-lo e agradecer-lhe por sua presença tão confortante, edificante e restauradora.



Dia 24 - ARCEBISPO CELEBRA FESTA DE SÃO JOÃO BATISTA EM ANAGÉ EM CLIMA DO JUBILEU DE 40 ANOS DA PARÓQUIA


A Paróquia São João Batista de Anagé neste ano está celebrando 40 anos de sua criação e instalação, tendo sido o primeiro pároco Frei Adriano. Foi um frade capuchinho, de saudosa memória, muito conhecido e lembrado ainda hoje pelo povo, sobretudo por sua grande dedicação na região desta Arquidiocese, destacando-se por seu zelo pastoral e missionário, sua proximidade com todas as pessoas. Neste clima especial de jubileu, a Paróquia celebrou o Novenário em preparação à Festa do seu excelso padroeiro São João Batista. O pároco Pe. Luiz Cláudio, o Diác. Genildo e o Conselho Pastoral Paroquial, em comunhão com toda a freguesia da Paróquia, renderam graças a Deus por estes 40 anos de caminhada eclesial. Hoje, dia solene de São João Batista, o Arcebispo Metropolitano Dom Luís foi acolhido pela comunidade pelos anageenses. Dom Luís celebrou a Solene Eucaristia em honra ao padroeiro São João Batista. A Santa Missa foi concelebrada pelo pároco Pe. Luís Cláudio, tendo a assistência no altar do Diácono permanente Genildo Gonçalves. Em comunhão com a celebração do Ano da Misericórdia, as noites do novenário foram motivadas pelo tema central: “Jesus, porta aberta à misericórdia de Deus Pai” e por lema: “João, o agraciado de Deus”. Em sua homilia, tendo como ponto de partida o tema central da festa, Dom Luís destacou que, segundo a intuição do Papa Francisco, o Ano Santo da Misericórdia, celebrado como um Jubileu, pretende ser uma Porta de Misericórdia que possibilita às pessoas uma profunda experiência do amor de Deus que consola, perdoa e dá esperança, recobrando e revitalizando as forças para uma caminhada como igreja e como discípulo-missionário para contemplar o rosto Misericordioso do Pai. Referindo-se às leituras próprias desta grande Solenidade, Dom Luís falou do acontecimento “João Batista”, o precursor, enviado a prepara os caminhos do Senhor, o “ano de graça” do Senhor, a vinda de Jesus. Dom Luís também destacou a bela história de 40 anos de paróquia, uma história construída pela vida de tantos irmãos e irmãs: os frades capuchinhos (frei Adriano), religiosas, leigos e leigas, que com generosidade e motivados pela gratuidade de Deus, doaram suas vidas na alegria do Evangelho e dentro do espírito missionário. Concluindo sua reflexão, lembrou Dom Luís que não se pode celebrar esta história de 40 anos sem lançar também o olhar para o futuro, abraçando-o com esperança, continuando a desbravar novos caminhos segundo o caráter profético que marca a identidade do verdadeiro cristão. A celebração eucarística contou com a presença de milhares de fiéis dos quatro cantos de Anagé, romeiros de São João Batista procedentes das mais de 70 comunidades rurais pertencentes à Paróquia. Foi uma belíssima festa, uma grande demonstração de fé, de experiência religiosa comprometida com o Evangelho de Cristo na construção da identidade cristã, que é a santidade, oou “misericordiosos como o Pai”! Dom Luís, congratulando-se com todos - Pároco, Diácono permanente, Conselho Pastoral e fiéis devotos de São João Batista - pela festa do padroeiro e pelos 40 anos de missão paroquial, agradeceu às diversas frentes pastorais e movimentos da paróquia, conselhos e a todo o povo de Deus pelo grandioso trabalho que vem sendo realizado na paróquia em espírito de comunhão com o seu pároco.



Dia 23 - NOVENA DE SÃO PEDRO E CRISMA EM MACARANI


Dom Luís, nesta quinta-feira, (23), véspera de São João, esteve na Paróquia de São Pedro, em Macarani, para celebrar a Santa Missa dentro do Novenário em preparação à festa do excelso Padroeiro de Macarani, São Pedro. Nesta celebração eucarística, Dom Luís também crismou um grupo de 56 pessoas entre jovens e adultos, membros da Comunidade paroquial. O Novenário da Festa de São Pedro, constituindo um marco na celebração do Ano Santo da Misericórdia, teve como tema: “Igreja, Casa da Misericórdia” e como lema: “Com São Pedro, seremos bem-aventurados se praticarmos a misericórdia uns com os outros” (cf. Mt 5,7). Já o tema que norteou esta 4ª. noite do Novenário foi: “Vestir os despidos e advertir os pecadores” (Mt 25, 32-36). Iluminado por este tema, Dom Luís, em sua homilia, ao falar da Misericórdia, destacou as obras de misericórdia como sinais concretos e expressão da própria misericórdia. Do mesmo modo que Jesus é misericordioso, assim também deve ser cada um em relação ao outro. O agir de Jesus foi sempre pautado por seu amor misericordioso: acolhendo, perdoando, amando sem limites, curando, salvando, libertando, resgatando do pecado e da morte, devolvendo a vida e a dignidade humana. Assim também deve ser o agir do cristão: realizar as obras de misericórdia, reconhecendo a presença de Jesus nas pessoas que foram destituídas da própria dignidade. Vestir os despidos, esta constitui uma expressão fundamental da acolhida dos valores do Reino dos Céus indicados por Jesus mediante sua ação evangelizadora e libertadora. Dom Luís exortou toda a Comunidade cristã de Macarani a deixar-se ser tocada interiormente pela mensagem do Novenário e da Festa de São Pedro através da conversão do coração em vista de uma vida nova assumida pela prática da Palavra de Deus, a exemplo do próprio padroeiro e da Virgem Maria. Por fim, Dom Luís dirigiu uma palavra de exortação aos mais de cinquenta crismandos, levando-os a refletir e a meditar sobre o verdadeiro significado do sacramento da Crisma que, dentro de poucos instantes, iriam receber. Reportou-se, especialmente, ao compromisso do crismado como Igreja Vida, participante, cristão comprometido e engajado com a Comunidade local e com toda a Igreja, comprometendo-se ativamente com a ação pastoral e evangelizadora. Além da presença do pároco Pe. José Carlos, que concelebroou com o Arcebispo, uma grande multidão de fiéis se encontrava na Igreja, deixando-a totalmente lotada. No final da celebração, houve uma efusão de alegria na assembleia e muitos também quiseram saudar o Bispo, sempre demonstrando um gesto de carinho e de afeto.



Dia 20 - REUNIÃO DO CONSELHO DE FORMAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DO SEMESTRE


Dom Luís, na manhã desta segunda-feira (20), no Seminário Maior de Filosofia Nossa Senhora das Vitórias, em Conquista, presidiu a reunião do Conselho de Formação para fazer uma avaliação do semestre acerca das atividades da Formação Acadêmica-Seminarística na Arquidiocese. Esta formação refere-se diretamente à preparação filosófica e teológica dos seminaristas da Arquidiocese nos diversos aspectos: a convivência no Seminário, o acompanhamento e aproveitamento dos estudos no Instituto e no próprio Seminário, os trabalhos pastorais, a vida de oração, a genuína vocação ao sacerdócio. São membros integrantes “ex officio” deste Conselho, o Arcebispo, como o Presidente, e o Vigário Geral Mons. Uilton. Além destes dois membros, participaram da reunião os demais integrantes em função dos cargos que exercem na Formação: Pe. Edmilson, Reitor do Seminário, Pe. Zenilton (Pe. Monginho), Vice-Reitor do Seminário e Diretor do Instituto de Filosofia, Pe. Nilson, Diretor do Propedêutico, Pe. Gerson e Pe. Frenilson, Diretores Espirituais dos Seminaristas. Na abertura dos trabalhos, Dom Luís, fazendo uma invocação ao Espírito Santo, suplicou-lhe as luzes do Alto para que a reunião, presidida pelo Espírito Santo, pudesse alcançar seus verdadeiros objetivos. Além da avaliação, o Conselho tratou de outros assuntos inerentes à formação. Foi uma manhã bastante intensa de trabalhos, iniciando às 9 horas da manhã e finalizando às 13 da tarde.



Dia 19 - PRESENÇA DO ARCEBISPO NA IGREJA CATEDRAL PARA A CELEBRAÇÃO DA SANTA MISSA


Neste domingo (19), o 12º. Domingo do Tempo Comum, às 7 horas da noite, Dom Luís celebrou a Santa Missa na Igreja Catedral. Como todos os domingos, havia um grande número de fiéis na Igreja para participar da celebração eucarística. A Palavra de Deus motivou os fiéis a refletirem sobre a missão de Jesus, o messias de Deus, sobretudo, levando a despertar a consciência da verdadeira missão de Jesus, da radicalidade de sua opção, do seu progeto que implica, inclusive, o conflito com os poderes estabelecidos, religiosos e políticos, e, por fim, a entrega, a doação da própria vida como expressão máxima do amor partilhado. Fazendo uma breve reflexão da Palavra de Deus, navegando pelas leituras propostas, Dom Luís convida cada um a questionar-se na compreensão da própria identidade como discípulos e discípulas do Senhor: “Quem sou eu, como cristão?” Neste domingo, a Igreja no Brasil recorda o Dia Nacional do Migrante, que tem como objetivo promover a acolhida solidária e suscitar debates acerca dos direitos dos migrantes e refugiados. Em sua homilia, Dom Luís, fazendo também referências a este tema neuvrágico, enfatizou que a acolhida dos migrantes e refugiados, pessoas estas que procuram deixar para trás condições trágicas de vida e perigos de toda natureza, está relacionada diretamente com a proposta do Ano da Misericórdia. De fato, o gesto de acolher o outro que vive mergulhado no sofrimento e no abandono,  vítima da violência e da pobreza, necessitando que lhe tratem suas feridas,  é acolher o abraço terno do Pai, vivendo a experiência de sentir-se amado e acolhido por Deus. lembrou, enfim, que neste Ano da Misericórdia é preciso que a Igreja viva a verdadeira compaixão e tenha uma atitude de solidariedade com aqueles que se encontram desorientados e desanimados pelo caminho. Esta é uma expressão concreta das obras de misericórdia.



Dia 18 - ARCEBISPO CELEBRA NA PARÓQUIA SENHOR BOM JESUS, EM BOM JESUS DA SERRA


Na noite deste sábado (18), Dom Luís esteve em Bom Jesus da Serra, e presidiu a Celebração Eucarística para a bênção da Igreja Matriz Senhor Bom Jesus e dos demais lugares e objetos litúrgicos. A Paróquia, instalada há pouco mais de 5 anos, apresenta muitos desafios a serem vencidos, tanto no campo da ação pastoral, como também a nível administrativo. O Pároco Pe. Frenilson, sem medir esforços e com grande dedicação e zelo pastoral, muito tem se empenhado, contando sempre com a generosa colaboração dos fiéis paroquianos. Após anos de intenso trabalho, a reforma da Igreja Matriz foi concluída. Dom Luís, dentro da Liturgia da Missa, invocou as bênçãos de Deus, fonte e origem de todas as bênçãos, oferecendo-Lhe, através do gesto da bênção, o templo, a igreja, um lugar, por excelência, de celebração da vida. Dom Luís também abençoou a cadeira de presidência (sede presidencial), a pia ou fonte batismal, o ambão e o altar. Apesar de a bênção na Igreja e pela Igreja estender-se a todas as coisas que se relacionam com a celebração litúrgica, Dom Luís viu uma boa oportunidade para manifestar aos fiéis a sua importância, mediante uma celebração apropriada para cada objeto ou espaço. Em suas palavras, Dom Luís dirigiu uma saudação ao pároco Pe. Frenilson, aos seminaristas presentes, vocacionados, paroquianos em geral, amigos da querida Paróquia do Senhor Bom Jesus (Bom Jesus da Serra). Ressaltou que a Comunidade Paroquial vive um dia de intensa alegria, um dia de Ação de graças porque, pela bênção, oferece a Deus aquele templo. Partindo da Liturgia da Palavra, a celebração do 12º. Domingo do Tempo Comum, acentuou que a pessoa de Jesus Cristo encontra-se no centro da reflexão de hoje. Quem é Jesus? A Palavra de Deus ajuda cada cristão a descobrir em Jesus o “messias” de Deus, que veio realizar a libertação através do amor e do dom da vida. Após uma breve meditação a partir das leituras propostas, Dom Luís fez um breve aceno ao sentido da bênção. A Igreja estava repleta de fiéis. A liturgia foi muito bem preparada, contando com a participação ativa dos diversos grupos e movimentos da paróquia. Após a Santa Missa, o entusiasmo e a satisfação estavam estampados nos rostos dos fiéis. Era uma alegria contagiante. Dom Luís foi saudado por muitas pessoas que agradeciam com grande euforia a sua presença. Ele voltou para Conquista muito contente com o trabalho da Comunidade de Bom Jesus da Serra.



Dia 16 - NOVENÁRIO E CRISMA NA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA EM RIBEIRÃO DO LARGO


A Paróquia São João Batista de Ribeirão do Largo, que, interinamente, está contando com a assistência pastoral e espiritgual do Frei Orlando, encontra-se em clima de festa com a celebração do Novenário em honra ao seu excelso padroeiro São João. O Arcebispo Dom Luís prestigiou este grande momento de renovação para a Comunidade Paroquial, celebrando, nesta quinta-feira (16), a 2ª. noite da novena. Às 7h30min Dom Luís presidiu a Solene Eucaristia, na qual ele conferiu o Sacramento da Crisma para um grupo de 15 jovens da Comunidade de Ribeirão do Largo. Os Ribeirenses, como sempre têm feito, acolheram o Arcebispo com uma demonstração de efusiva alegria e grande satisfação pela sua presença, confirmando, assim, o afeto filial, o carinho e o apreço pelo Arcebispo que, em sua missão de Pastor, está sempre em prontidão de serviço a apascentar as ovelhas que lhe foram confiadas pelo Senhor, confirmando-as na fé. A Igreja Matriz encontrava-se completamente ocupada pelos fiéis e devotos de São João Batista. Na saudação inicial, Dom Luís dirigiu palavras de agradecimentos a Frei Orlando pela sua disponibilidade em assistir aquela Comunidade em sua caminhada de fé e de grande vivência eclesial. Também agradeceu aos fiéis pelo apoio que têm dado ao Frei Orlando e, sobretudo, pela compreensão e espírito de colaboração e participação tão fortes em sua expressão de fé. Em sua homilia, Dom Luís, procurando manter o espírito do Jubilleu Extraordinário da Misericórdia, ressaltou que a misericórdia divina - a graça e a bondade de Deus - se manifesta na natividade de João Batista e se prolonga em sua missão de precursor do Messias, ou seja, o enviado de Deus “para preparar os caminhos do Senhor”, fazendo com que todas as pessoas, através de um processo constante de conversão, preparem o coração para acolher a Salvação de Deus que está para se manifestar plenamente no Filho, Jesus Cristo. Diga-se também, Dom Luís não podia deixar de dar um recado aos jovens crismandos e, consequentemente, estendendo sua exortação a todos os fiéis. Recordou-lhes que, pelo dom do Espírito Santo recebido através do Sacramento da Confirmação, o crismado é marcado com um sinal espiritual, conformando-se com maior intensidade a Cristo e tornando-se mais perfeitamente um membro da Igreja. Isto significa que, pela Crisma, considerado o sacramento da maturidade cristã, todos os crismados deverão ser testemunhas da paixão e ressurreição do Senhor, fazendo com que suas vidas difundam por toda parte o bom odor de Cristo. Por fim, exortou os jovens crismandos de Ribeirão do Largo a serem membros vivos da Igreja, dedicando-se, pela força e pela ação do Espírito Santo, ao serviço de todas as pessoas, a exemplo de Cristo, que veio ao mundo não para ser servido, mas para servir. Nesta dimensão do serviço, é importante que o jovem se comprometa de modo efetivo e afetivo com a sua Paróquia, enganjando-se com maturidade de fé nos diversos serviços e ministérios da Comunidade Eclesial e na ação pastoral e evangelizadora da Igreja, ressaltou o Arcebispo em suas palavras exortativas. O final da Celebração foi marcado por uma alegria incontida da assembleia, com uma manifestação de euforia estampada no rosto de todos. Muitos também foram ao encontro de Dom Luís para cumprimentá-lo e pedir-lhe bênçãos e orações. A presença do Arcebispo em Ribeirão do Largo foi um momento muito bonito, gratificante e bem especial para a Comunidade cristã ribeirense, que se sentiu animada, encorajada e comprometida em sua caminhada de fé na Igreja.

 

Dia 13 - ARCEBISPO CELEBRA O ENCERRAMENTO DA FESTA DE SANTO ANTÔNIO NA PARÓQUIA DOS FRADES CAPUCHINHOS

Na noite desta segunda-feira (13), Dom Luís esteve na Paróquia Nossa Senhora de Fátima e Santo Antônio de Lisboa, administrada pelos Frades Capuchinhos, para presidir a Missa Solene de encerramento da Festa de Santo Antônio. Uma grande multidão de fiéis e devotos de Santo Antônio se encontrava na Igreja. Muitos deles para agradecer as copiosas graças concedidas por Deus pela intercessão do glorioso Santo; muitos outros para os costumeiros pedidos e súplicas diante das necessidades e dificuldades enfrentadas na vida, sobretudo, nestes tempos de turbulenta crise. Todos, enfim, com uma grande demonstração de fé e piedade cristã, testemunhando muita confiança e esperança. A Santa Missa, presidida por Dom Luís, foi concelebrada pelos Frades da fraternidade local, contando com a presença do pároco Fr. Gilson, de Fr. Geraldo, Guardião, demais confrades e o Padre Vanderlei, religioso estigmatino. Em suas palavras iniciais, Dom Luís, com a saudação fraterna e franciscana de “Paz e Bem”, dirigiu-se aos frades capuchinhos, parabenizando-os pela Festa de Santo Antônio. Fez uma menção especial a Frei Bernardo, frade não ordenado, grande promotor e animador da devoção a Santo Antônio em Conquista. Também dirigiu uma saudação aos fiéis e devotos de Santo Antônio, colaboradores e benfeitores do “Seminário” e amigos dos Capuchinhos. Neste Ano Jubilar da Misericórdia, a festa do grande taumaturgo teve como núcleo inspirador o tema do amor misericordioso. Santo Antônio, pelos seus gestos de amor e cuidado com os pobres e mais necessitados, tornou-se conhecido como “o homem misericordioso”. Por isso, a Festa deste ano teve como tema norteador: “Santo Antônio, sinal do amor misericordioso e defensor da casa comum”. Em sua homilia, Dom Luís destacou alguns aspectos da vida de Santo Antônio no que tange ao tema da misericórdia. Referiu-se ao Taumaturgo como um grande defensor dos pobres, movido por um profundo sentimento de compaixão, acolhendo-os com bondade, brandura e mansidão. Por fim, Dom Luís, fazendo uma referência ao tema da Encíclica “Laudato Sì”, do Papa Francisco, destacou que a Igreja assume de fato sua missão misericordiosa de “cuidar de nossa casa comum”, quando se compromete radicalmente em combater o uso irresponsável dos bens que o Criador confiou ao ser humano. Diante da possibilidade de uma “catástrofe ecológica”, os fiéis e devotos de Santo Antônio, inspirados nas atitudes de São Francisco, devem assumir uma postura, que faça a diferença, de defensores da “casa comum”, administrando com responsabilidade, sabedoria e generosidade os que lhes foram confiados pelo Pai. Após a Santa Missa, uma multidão de fiéis, em manifestação de fé, piedade e confiança, acompanhou com grande devoção e em espírito de oração a Procissão Luminosa, conduzindo a imagem do glorioso Santo Antônio pelas imediações da Igreja.

 

Dias 10 a 12 - VISITA PASTORAL NA PARÓQUIA SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS EM CONQUISTA

 

MOMENTOS DA VISITA PASTORAL:

Encerramento da Visita Pastoral

Matriz e Comunidades visitadas

Encontro com a juventude

Reuniões e encontros

Solidariedade a famílias enlutadas

Visita a idosos e enfermos

Momentos de oração

Secretaria Paroquial

Visita ao Colégio

Chegada e abertura da Visita Pastoral


Nos dias 10 a 12, o Arcebispo Metropolitano realizou sua primeira Visita Pastoral à Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus. Esta Visita Pastoral constituiu-se como um momento privilegiado de um contato direto do Arcebispo com o povo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração do Pároco. Ademais, a Visita Pastoral quer ser também um momento forte de evangelização e animação missionária e procura favorecer o reavivamento da fé e da comunhão eclesial, o compromisso missionário e a corresponsabilidade pastoral na Igreja particular. Em outras palavras, a Visita pretende ser um despertar para a necessidade de maior compromisso com a caminhada de uma Igreja em constante estado de missão, uma Igreja “em saída”, segundo a proposta da V Conferência do Episcopado Latino-americano e do Caribe, ou simplesmente Conferência de Aparecida. Na tarde da sexta-feira (10), Dom Luís, acompanhado de sua equipe missionária, chega à Paróquia, sendo acolhido pelo Pároco Pe. Black, que, em nome de todos os paroquianos, deu-lhe as boas-vindas. Acompanhavam o pároco vários membros, representando as diversas pastorais e movimentos presentes na Paróquia. Após um momento de oração na Capela do Santíssimo da Igreja Matriz, Dom Luís dirigiu uma saudação aos presentes, extensiva a toda a Paróquia, expondo também o objetivo e o verdadeiro sentido da Visita Pastoral. A dinâmica da Visita, muito bem preparada pelo Pe. Black e por suas equipes de trabalho, favoreceu um convívio fraterno entre o Arcebispo com o Pároco e demais pessoas envolvidas na organização da Visita. Um ponto alto da convivência nestes poucos dias era o momento de oração, fonte de onde emana toda a força para a missão. Grande foi a alegria dos fiéis ao acolherem o seu Pastor em suas comunidades, nos encontros com as pastorais e movimentos. Como é habitualmente realizado em cada visita, o Arcebispo reuniu-se com os Conselhos Paroquiais: CPP (Conselho Pastoral Paroquial) e CEP (Conselho Econômico Paroquial). Nestes encontros com os Conselhos, Dom Luís escutou seus membros e também dirigiu uma palavra de encorajamento a todos. Foi feita uma breve avaliação da caminhada à luz do Plano Pastoral Arquidiocesano, Diretrizes da Ação Evangelizadora e das Prioridades, bem como dos projetos pastorais da própria Paróquia. Um momento muito significativo foram as visitas aos enfermos da Comunidade, marcadas pela fé e esperança. Visivelmente em cada rosto estava estampada a alegria e se percebia o revigoramento das forças com a bênção do Arcebispo a cada enfermo ou idoso, demonstrando quão grande é a misericórdia do Pai. A Visita Pastoral foi encerrada no início da noite do domingo (12), com uma Solene Celebração Eucarística, na qual estavam presentes todas as comunidades, pastorais da Paróquia e movimentos. No final da celebração conclusiva, Dom Luís agradeceu o padre Black, o diácono Luciano, o seminarista Antônio e a coordenadora arquidiocesana da Catequese, Elielma. Referiu-se à Paróquia com elogios por sentir ser uma comunidade muito viva e participativa, cheia de vigor, o que dá muita esperança à Igreja. Agradeceu a todos os fiéis pelo acolhimento, atenção recebida, o carinho e o afeto fraterno encontrados em todos os lugares por onde passou. Era visível a alegria que contagiou o povo de Deus presente na Paróquia Santa Teresinha. Certamente todos puderam revigorar suas forças para o prosseguimento com entusiasmo, novo vigor e com ardor missionário a ação evangelizadora da Igreja. Dom Luís voltou para casa muito satisfeito e contente com tudo o que viu, ouviu e testemunhou. A Visita Pastoral foi, de fato, para a Paróquia Santa Teresinha um tempo de graça.

 

Dia 12 - FESTA DE SANTO ANTÔNIO NA COMUNIDADE JARDIM COPACABANA, PARÓQUIA SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS

Na manhã deste domingo (12), o Arcebispo presidiu a Celebração Eucarística em louvor a Santo Antônio de Pádua, padroeiro da Comunidade Jardim Copacabana, Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, em Vitória da Conquista. O dia festivo homenageando Santo Antônio foi precedido da celebração preparativa de um tríduo. A Solene Eucaristia presidida por Dom Luís, que se encontra em Visita Pastoral à Paróquia Santa Teresinha, teve a participação como concelebrante o Pároco Pe. Black, além da diaconia de Luciano, Diácono Permanente da Arquidiocese, membro da Comitiva Missionária que acompanha o Arcebispo na sua Visita Pastoral. Contou também com a presença do Seminarista Antônio, em tempo de estágio pastoral, preparando-se para a ordenação diaconal. A Liturgia da Palavra foi a própria do dia - 11º Domingo do Tempo Comum. Depois de uma breve mensagem sobre as leituras proclamadas, onde, com muita visibilidade, encontra-se a experiência de um Deus de bondade e de misericórdia, Dom Luís aprofundou alguns aspectos da dimensão da misericórdia, em alusão ao Jubileu Extraordinário que a Igreja está celebrando por convocação do Papa Francisco. Ele, enfim, destacou a importância deste Jubileu como um tempo novo na Igreja, um ano da graça que permite a contemplação do mistério da misericórdia e, consequentemente, provoca na vida do cristão uma tomada de consciência sobre a própria vocação, levando-o a ser sinal eficaz do agir do Pai, em atenção ao grande apelo do lema do Jubileu: “Misericordiosos como o Pai”.


Dia 7 - ARCEBISPO CELEBRA NA TREZENA DE SANTO ANTÔNIO NA PARÓQUIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO EM CARUARU

Nesta terça-feira (7), Dom Luís celebrou em Caruaru, na Paróquia Coração Eucarístico, Convento dos Frades Capuchinhos, o sétimo dia da Trezena de Santo Antônio. No contexto celebrativo do Jubileu da Misericórdia, as meditações e reflexões do trezenário estão sendo norteadas pelo tema: “Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso” (Lc 6,36). Por outro lado, a Trezena está sendo o marco da abertura do Ano Jubilar da Paróquia que, em 2017, estará celebrando 60 anos de sua criação. Chegando ao Convento, embora sentindo-se em sua casa, pois ali, antigo internato Frei Damião, Dom Luís deu os primeiros passos para concretizar sua vocação de Frade Capuchinho, não foram dispensados os ritos de boas vindas e bem chegado. Dom Luís foi acolhido pelo Guardião Frei Hélio Júnior, pelo Pároco Frei Abelardo e pelos demais confrades, membros da Fraternidade conventual. Digna de nota com merecido registro foi a calorosa receptividade por parte dos 11 estudantes de Filosofia que também fazem parte daquela Fraternidade. A celebração eucarística, presidida por Dom Luís, foi concelebrada pelo Confrade Frei Sonival, atualmente exercendo seu ministério como Capelão Militar e que, em breve, partirá para o Haiti, como participante da missão dos militares brasileiros naquele sofrido país do Caribe. A Igreja tornou-se muito pequena para acolher os milhares de fiéis que acorreram ao Convento. Ficou, literalmente, superlotada, deixando muita gente na parte externa. Na homilia, Dom Luís, tomando como ponto de partida o tema geral da Trezena, referiu-se ao Jubileu da Misericórdia como uma grande motivação para se colocar em prática, no quotidiano da vida, as obras de misericórdia espirituais e corporais. O lema do Jubileu: “Misericordiosos como o Pai” sugere a todos que aprendam de Deus, que é bom para com todos, e estabeleçam novas relações e experiências quotidianas fundadas no sentimento de misericórdia. Meditando sobre aspectos significativos da vida de Santo Antônio, um dos santos mais populares, lembrou os 70 anos da proclamação de Santo Antônio como “Doutor da Igreja”, tendo-lhe sido atribuído o título de “Doutor Evangélico”, pelo Papa Pio XII, através da Bula “Exulta Lusitania Felix” de 16 de janeiro de 1946, na celebração dos santos protomártires da Ordem Franciscana. Ressaltou uma das grandes preciosidades, se não a maior, da vida de Santo Antônio: “um enamorado de Cristo e de seu Evangelho”, foi grande defensor dos pobres, com quem era cheio de compaixão, acolhendo-os com bondade, brandura e mansidão. Lembrou ainda a antiga tradição do “pão de Santo Antônio”, mantida até hoje em muitos conventos nas missas de cada terça-feira. O pão abençoado e distribuído entre os fiéis e com os pobres quer ser um símbolo da generosidade e gratuidade, e grito profético contra a lógica do acúmulo e em favor da defesa e promoção da vida digna. O pão de Santo Antônio, quando repartido com generosidade e amor, torna-se fonte de vida e de bênção para todos. Terminada a Santa Missa, muitos fiéis e devotos de Santo Antônio foram ao encontro de Dom Luís para os habituais cumprimentos. Dom Luís teve a oportunidade de rever muitos conhecidos e, sobretudo, de reencontrar-se com colegas dos seus primeiros tempos de estudo no Colégio Diocesano de Caruaru. Foi um momento muito gratificante.



Dia 4 - ABERTURA DO NOVENÁRIO DA FESTA DE SANTO ANTÔNIO, EM CAETANOS

Na noite deste sábado (4), Dom Luís esteve em Caetanos a convite do Pároco Pe. Noel para presidir a Santa Missa de abertura do novenário em preparação à Festa do excelso padroeiro Santo Antônio de Pádua. As celebrações litúrgicas estão acontecendo já na nova Igreja, que está sendo erguida com muito esforço do Pe. Noel, contando sempre com a grande generosidade dos caetanenses. A Festa de Santo Antônio, no espírito da celebração do Jubileu da Misericórdia, tem como tema central: “Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso” (Lc 6,36). Já o tema proposto para a meditação na abertura da Novena foi: “Em Jesus Cristo, encontramos uma porta aberta nos conduzindo à Misericórdia de Deus Pai”. Na homilia, Dom Luís destacou inicialmente a memória do Imaculado Coração de Maria celebrada na Igreja, sublinhando que o Coração de Maria é expressão inesgotável da misericórdia de Deus. Maria é a mulher que guarda no coração a Palavra de Deus, é morada do Espírito Santo, sede da sabedoria, imagem e modelo da Igreja que escuta e testemunha o Senhor. Refletindo sobre o tema específico desta primeira noite, após algumas referências sobre a imagem da “porta”, Dom Luís afirmou: “Abrir as portas é deixar Deus entrar e iluminar a nossa mente, abrir os nossos corações aos outros; olhar com os olhos de Deus, rico em misericórdia, o mundo em que vivemos, construímos e sonhamos”. Por fim, Dom Luís rogou que o Novenário e a Festa de Santo Antônio possam ajudar os fiéis e devotos do santo celebrado a uma atitude de conversão, uma vida nova, assumindo a vocação de batizados como um caminho de santidade, sendo “misericordiosos como o Pai”. Dentro da celebração, após as preces comunitárias e de acordo com o Cerimonial dos Bispos, Dom Luís abençoou a Capela do Santíssimo, construída ao lado do Presbitério. Feita a oração apropriada da bênção, o espaço sagrado foi incensado por Dom Luís. No final da Santa Missa, após a distribuição da sagrada comunhão aos fiéis, Dom Luís, ladeado pelos sacerdotes concelebrantes, e acompanhado dos ministros e coroinhas, conduziu as espécies que sobraram em uma píxide para a deposição no Tabernáculo (Sacrário). Neste momento, ele abençoou o novo Tabernáculo, depositando o Santíssimo Sacramento, incensando-o solenemente e fazendo um momento de oração em silêncio “versus Deum”. Retirou-se em seguida, voltando para o presbitério. Após a Santa Missa, o Arcebispo foi saudado por muitos fiéis em demonstração da grande alegria pela presença do Pastor em seu meio. Além do Pároco Pe. Noel e de Fr. Dimas, que concelebraram com Dom Luís, uma grande multidão de fiéis superlotou a nova Igreja. Esta primeira noite foi uma belíssima celebração, contando com a participação dos fiéis da cidade de Caetanos e de muitos que vieram das comunidades rurais, ainda que devendo enfrentar longas distâncias e vencer as dificuldades e asperezas dos caminhos. De fato, a presença de Dom Luís na Comunidade de Caetanos foi muito gratificante para todos e de grande motivação na caminhada de fé.