Home » Notícias » ANO SANTO DA MISERICÓRDIA - Fev
 
ANO SANTO DA MISERICÓRDIA - Fev Imprimir E-mail
Ter, 15 de Março de 2016 11:29

 

2016

ANO SANTO DA MISERICÓRDIA

PORTA DA MISERICÓRDIA

Catedral de Vitória da Conquista - Bahia

 

NOTÍCIAS DE FEVEREIRO 2016

Dia 29 - O ARCEBISPO PARTICIPA DA ASSEMBLEIA DO CONSELHO EPISCOPAL REGIONAL (CONSER), CNBB NE3


A partir desta segunda-feira (29) até a próxima quarta-feira, 2 de março, os Bispos do Regional Nordeste 3 estarão reunidos no Centro de Treinamento para Líderes (CTL), em Salvador, para a primeira Assembleia do Conselho Episcopal Regional - CONSER deste ano de 2016. A abertura dos trabalhos aconteceu nesta noite de segunda-feira com a apresentação da pauta feita pela Presidência do Regional. Participaram quase todos os Bispos que compõem o Regional Nordeste 3. Os Bispos do Regional demonstraram grande alegria pela presença do novo membro Frei Carlos Alberto Pereira Breis, OFM, nomeado pelo Papa Francisco como Bispo Coadjutor da Diocese de Juazeiro (BA), cuja publlicação aconteceu no dia 17 p.p. O Presidente do Regional Dom Petrini dirigiu uma calorosa saudação de boas-vindas, acolhendo-o fraternalmente no Colégio Episcopal.



Dias 26 a 28 - IRMÃS DA ORDEM DA ANUNCIAÇÃO PROMOVEM PRIMEIRO ENCONTRO VOCACIONAL NA ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA DA CONQUISTA


Neste final de semana, as monjas da Ordem da Anunciação presentes em Conquista (Irmã Olimpia e Irmã Cândida) promoveram o 1º. Encontro Vocacional, reunindo 15 jovens. Este encontro aconteceu no Seminário Propedêutico da Arquidiocese em Itapetinga - BA. Dom Luís tomou parte em alguns momentos significativos do Encontro. Ele esteve na abertura do Encontro, que aconteceu na noite da sexta-feira (26), com acolhimento e uma dinâmica de apresentação das jovens. No domingo (28), às 11 horas da manhã, celebrou a Santa Missa de Encerramento. As jovens são provenientes de algumas paróquias da Arquidiocese de Conquista: 4 jovens da Paróquia de Iguaí, 5 jovens da Paróquia de Ibicuí, 2 jovens da Paróquia de Encruzilhada, 3 jovens da Paróquia São José (Veredinha) e uma jovem da Paróquia da Catedral. Além destas, outras seis jovens, que não puderam participar deste primeiro encontro, manifestaram o desejo de conhecer a Comunidade das Monjas. As jovens se encontram na faixa etária de 15 a 20 anos e, inseridas no intenso processo de descoberta e de questionamentos próprios desta fase, estão buscando abrir caminhos nesta terra misteriosa da “Vocação” em resposta ao chamado. Durante estes dias, elas foram convidadas a fazer uma profunda experiência na descoberta do sentido da vida a partir da espiritualidade da Vocação: um chamado de Amor que necessita de uma resposta. Foi uma experiência bastante intensa para as jovens. Houve momentos fortes de reflexão, de oração e de meditação pessoal, momentos livres e de convivência para alimentar o entrosamento, momentos de silêncio na mística da vida contemplativa. Elas também puderam partilhar suas inquietações, falar livremente de seus sonhos e esperanças. Na Missa de encerramento, Dom Luís destacou a importância fundamental do encontro como uma etapa de conhecimento e de discernimento. Falou da vocação como um chamado amoroso de Deus. Nas palavras de Dom Luís, a iniciativa do chamado é sempre de Deus. Ele chama cada um pelo nome. No entanto, é preciso cultivar a vocação, deixar-se ser envolvido pelo Mistério da Encarnação e fazer a profunda experiência do “Amado”. Acolher generosamente o “Sim” é doar-se totalmente sem perder o encanto, é arriscar-se e lançar-se nas águas mais profundas. As monjas ficaram muito satisfeitas com o entusiasmo das jovens e estão muito animadas neste projeto de reavivamento da própria Ordem. Por sua vez, Dom Luís também tem se dedicado com grande empenho neste projeto imprescindível de “re-fundação”. Hoje, são duas monjas portuguesas. No Brasil, elas estiveram primeiramente na Diocese de São Carlos - SP em uma experiência de 10 anos. Findo este tempo, por incentivo e esforço de Dom Luís, em 2012 elas vieram para a Arquidiocese de Vitória da Conquista. Dom Luís assumiu para si este compromisso de “arregaçar as mangas” e trabalhar para a revitalização do Mosteiro da Anunciação. Para ele, seria um bem imenso e um precioso tesouro espiritual a presença de um Mosteiro de vida contemplativa na Arquidiocese. Quiçá esta primeira experiência venha a encontrar no coração destas jovens um terreno fértil para que a semente do Verbo lançada chegue a produzir frutos e elas, imitando a atitude de Maria, possam responder um “Sim”, humilde e generosamente, a toda a manifestação da Vontade de Deus.


Dia 24 - ARCEBISPO APRESENTA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2016 EM SESSÃO ESPECIAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE CONQUISTA


Na noite desta quarta-feira, a Câmara dos Vereadores de Vitória da Conquista realizou uma Sessão Especial para um debate aberto ao público sobre o tema da Campanha da Fraternidade 2016: “Casa comum, nossa responsabilidade”. O Arcebispo Dom Luís, convidado a compor a Mesa, fez uma explanação do tema em pauta. Em sua alocução, Dom Luís lembrou com muita ênfase que o objetivo geral da CF é garantir o direito do saneamento básico para todas as pessoas. Acentuou que este objetivo da CF coloca em foco a relação intrínseca que há entre saneamento básico, desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida para todos. Em relação ao tema “Casa comum, nossa responsabilidade”, ressaltou que o mesmo é uma inspiração tomada da Encíclica “Laudato sì”, do Papa Francisco, onde se encontra a emergência de uma “nova relação” com todos os seres vivos, que exige um compromisso de todas as pessoas no cuidado responsável e oblativo da “nossa casa comum”. Deve-se mudar o mundo não de fora, mas a partir do próprio indivíduo, uma mudança nos estilos de vida, vivendo a vocação de guardião da obra de Deus como parte essencial de uma existência virtuosa com um “cuidado generoso e cheio de ternura”. Colocando o acento no objetivo geral da CF, o Arcebispo chamou a atenção para a responsabilidade do poder público na execução do plano municipal de saneamento básico. Lembrou também a todos os presentes a responsabilidade de cada pessoa em salvaguardar o planeta a partir das coisas mais práticas: o cuidado com a água, a busca de soluções concretas para o problema do lixo, o combate ao mosquito Aedes aegypti (mosquito-da-dengue), que tem provocado muitos males às populações, sobretudo às mais pobres, dizimando vidas humanas com a consequência drástica das enfermidades como a dengue, a chikungunya e o vírus da zica, entre outras mais. Para enfrentar este gravíssimo problema, ressaltou o Arcebispo, é de fundamental importância a criação e instalação de políticas públicas que garantam a saúde de todos. Insistiu: não a saúde de alguns poucos, mas a saúde de todos. Contando com a presença de representantes das pastorais e movimentos da Arquidiocese, o Arcebispo destacou o importante papel das paróquias e das comunidades em cobrar das autoridades a execução de ações e gestos concretos de cuidado com a “Casa comum”. Dom Luís concluiu suas palavras com o convite aos presentes para juntos rezarem a oração do Pai-Nosso.



Dias 16 a 18 - COM A PRESENÇA DO ARCEBISPO, O CLERO DA ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA DA CONQUISTA REALIZA RETIRO ESPIRITUAL


Nesta primeira semana da Quaresma, Dom Luís e o Clero da Arquidiocese de Vitória da Conquista fazem o seu retiro espiritual, que acontece na Casa de Oração (CORA) da Diocese de Teófilo Otoni/MG. Esta Casa de Oração é um organismo diocesano, constituindo-se em verdadeiro espaço de espiritualidade, muito propício para a meditação. Os diversos ambientes da casa, dispostos em grande harmonia, exalam um profundo odor de espiritualidade, favorecendo aos que ali se encontram a procura da intimidade, o contacto consigo mesmo, com a vida, sendo, assim, um verdadeiro espaço de encontro pessoal com Deus. O silêncio reinante, quebrado apenas com os sons da natureza, é compatível com a verdadeira função da Casa de Oração: a meditação. Respirando este clima de espiritualidade, o clero, desde os momentos iniciais do retiro, orientado pelo pregador Dom Aloísio Vital, Bispo Diocesano de Teófilo Otoni, foi convidado a entrar, generosamente, no silêncio interior, saboreando a experiência espiritual de deixar-se possuir pelo mistério, dando-se por inteiro. Dom Aloísio conduziu as meditações com muita suavidade, leveza, simplicidade e grande sabedoria, proporcionando aos participantes uma profunda experiência de amizade com a pessoa de Jesus Cristo. Lembrou que o retiro é um tempo necessário de parada na caminhada do sacerdote. Não poucas vezes, distraído pelas atividades pastorais e administrativas de uma paróquia e preocupações outras da vida, o sacerdote necessita de um momento de silêncio para dar uma chance a si mesmo, para prestar atenção a si mesmo, deixando-se ser cuidado por Deus. Nas palavras de Dom Aloísio, o retiro é um tempo propício para ajuntar os pedaços que vão ficando para trás ao longo da caminhada e poder voltar ao quotidiano com mais inteireza e com a coragem de “re-inventar” a vida, abrindo novos caminhos. Os momentos altos do retiro foram as celebrações: a Eucaristia diária, Adoração e Celebração Penitencial, esta última incluindo a confissão individual dos padres. No final, Dom Luís Pepeu avaliou como muito positivo este retiro, considerando um tempo favorável e muito propício no início da caminhada quaresmal, constituindo-se em uma verdadeira ação da graça de Deus na vida dos padres, aquecendo seus corações. Os participantes, em número de 40 padres da Arquidiocese e o próprio Arcebispo, saíram muito fortalecidos e gratificados pela belíssima experiência de retiro e pela riqueza espiritual de Dom Aloísio. Como aconteceu aos discípulos de Emaús, quando reconheceram o Senhor ao partir o pão, os padres voltaram à missão em suas paróquias com grande alegria, quiçá se perguntando: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho...?”



Dia 14 - DOM LUÍS FAZ A ABERTURA OFICIAL DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2016 NO VICARIATO SÃO LUCAS


Na manhã deste 1º. Domingo da Qauresma (14), às 8 horas, com a presidência do Arcebispo, o Vicariato São Lucas fez o lançamento da Campanha da Fraternidade 2016, que traz como tema: “Casa comum, nossa responsabilidade” e como lema: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24). A concentração aconteceu na Paróquia Nossa Senhora das Graças. Estavam presentes os padres do Vicariato e uma grande multidão vinda das diversas Comunidades Paroquiais de Conquista. Dom Luís fez a saudação inicial, dirigindo-se ao povo de Deus e aos padres presentes. Em seguida, os jovens fizeram uma encenação ilustrando o objetivo geral da CF, que consiste em um clamor por políticas públicas e atitudes responsáveis para garantir a integridade da Casa Comum. Em seguida, o Bispo, Padres, Religiosos e Religiosas, seminaristas, coroinhas, ministros e o povo em geral saíram em caminhada para a Igreja Catedral para a celebração da Santa Missa. A Igreja ficou superlotada de fiéis. Muita gente teve que se acomodar nos arredores do templo por falta de espaço. Na homilia, Dom Luís destacou a importância da Quaresma no contexto do “Ano da Misericórdia” como um grande convite lançado a cada pessoa para refletir e fazer a experiência do amor misericordioso de Deus, renovando, através da Palavra proclamada e dos Sacramentos, o caminho de conversão e de santidade. A Palavra de Deus deste 1º. Domingo da caminhada quaresmal ajuda cada um a vivenciar o compromisso cristão, levando a repensar as próprias escolhas ou opções de vida tomando consciência das “tentações” que impedem a verdadeira conversão, a vida nova, a vida em Deus. No final da celebração, Dom Luís dirigiu algumas palavras sobre a importância da Campanha da Fraternidade dentro do Tempo da Quaresma, um organismo criado pela CNBB e que vem acontecendo no Brasil todos os anos desde 1964. Destacou que a CF não é um discurso etéreo, mas uma oportunidade para realizar ações concretas para melhorar a vida na comunidade. Padre Gerson, Vigário Regional do Vicariato São Lucas, leu a mensagem do Papa Francisco aos brasileiros por ocasião da Campanha da Fraternidade-2016. Em seguida, o Arcebispo convidou toda a assembleia a rezar a Oração da CF e, por fim, foi entoado o Hino Oficial.



Dia 10 - ARCEBISPO CELEBRA A MISSA DA QUARTA-FEIRA DE CINZAS NA CATEDRAL


Nesta quarta-feira, dia 10, às 7h30min da manhã, abrindo solenemente o Tempo da Quaresma com o tradicional rito da bênção e imposição das Cinzas, Dom Luís presidiu a Santa Missa na Igreja Catedral Nossa Senhora das Vitórias. A liturgia de abertura da caminhada quaresmal neste dia das Cinzas (Quarta-feira de Cinzas), símbolo de penitência e conversão, sugere a todos a prática do jejum, da oração e da esmola. A Catedral tornou-se muito pequena para acolher os fiéis que foram participar da celebração da Eucaristia e receber as cinzas como sinal de penitência diante do apelo de conversão e de mudança de vida, recordando a passageira fragilidade humana, sujeita à morte. Na homilia, Dom Luís, em suas sábias e inspiradas palavras, lembrou que a Quaresma é um tempo especial de preparação para a Páscoa, a ressurreição de Cristo, ponto culminante do Ano Litúrgico, constituindo-se em fonte de esperança para o cristão. Recordou ainda que a Quaresma, neste ano, acontece dentro do contexto do “Ano da Misericórdia”, quando as pessoas de boa vontade são convidadas a refletir e a fazer a experiência do amor misericordioso de Deus para renovar o caminho de conversão e de santidade. Segundo o Papa Francisco, em sua Encíclica “Misericordiae Vultus” (n.2): “Precisamos sempre contemplar o mistério da misericórdia, fonte de alegria, serenidade e paz”. Esta “é condição da nossa salvação”. No Brasil, desde o ano de 1964, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil promove a Campanha da Fraternidade durante o período da Quaresma, cuja finalidade é vivenciar e assumir a dimensão comunitária e social deste tempo de penitência, motivando, assim, o gesto de solidariedade. Com isto, a cada ano a Igreja ajuda o cristão a viver sua experiência de missão, propondo-lhe uma realidade de redenção. A CF-2016 trata de um tema fundamental: “Casa comum, nossa responsabilidade”, focando principalmente o saneamento básico como um direito que deve ser garantido a todas as pessoas. E tem como lema: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24). O tema do cuidado da casa comum, em sintonia com a rica expressão do profeta Amós, constitui forte apelo de conversão. À luz da fé, a sociedade deve empenhar-se por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade desta “casa comum”, que vem sendo degradada, entre outros fatores, pela ganância desmedida, pela injustiça, e pela voracidade produtivista e consumista.